Staying up till morning
“Já fiz muitas escolhas erradas. E andei muito na contramão. Mas cada queda me ensinou a olhar pra frente. A gente não pode viver a vida olhando para o que passou.”
— Clarissa Corrêa.
A beleza encanta no primeiro minuto, a simpatia conquista nas horas seguintes, mas é a atitude que faz o lance durar dali pra frente. ✌
Eu sou muito sozinho, mas ninguém percebe. Acham que por eu estar sorrindo, eu estou bem. Eu posso estar dando risadas, mas precisando de um abraço. Por que não?

Marcello Henrique.  (via retrizes)

Aqui vai uma dica para todos os homens: A exatamente 2 anos e meio eu conheci uma garota. Eu com 18 e ela com 14. Foi simples, não teve nada a ver com destino, penso eu. Pedi uma colega em comum para que me apresentasse a ela, e ela pediu apenas o meu orkut (era orkut na época, rs). Eu fiquei dias esperando, e nada de um sinal dela. Passou algumas semanas, e no dia 19 de janeiro de 2010 eu vi ela com as amigas em uma festa. Criei coragem e fui falar com ela. Ela, claro, já sabia de mim. A conversa fluiu tão calma, tão doce, tão macia que parecia que não era eu que estava ali. Ficamos mais ou menos 3 horas conversando sem parar, e a mãe dela chegou pra buscá-la. Eu a adicionei no msn e se passasse um dia sem conversar com ela, eu ficava louco, sim, louco. Louco de preocupação. No dia 30 desse mesmo mês, eu a beijei pela primeira vez. Foi a coisa mais alucinante e natural que eu já vivi. Ela era tão tímida que eu queria ficar agarrado a ela o tempo inteiro. Continuamos ficando e nada de namoro, só propus ficarmos sério. Erro meu. 5 de junho. A princesa completaria 15 anos, e com surpresa recebi o convite pra ser o príncipe na festa dela. Foi esquisito, falando sério, rs. Todo mundo ficou olhando, aplaudindo, gritando e ela toda fofa com as bochechas rosadas de vergonha. Depois da valsa eu a puxei pra dançar e ela parecia estar nas nuvens, parecia uma princesa. No final do mês, ela me viu conversando com a minha ex e decidiu simplesmente se afastar de mim, pensando que eu ainda estaria com ela. Mas não, naquele dia eu tinha feito uma coisa que eu nunca imaginei que faria: estava dispensando a garota mais gata da minha roda de amigos. Tudo isso sabe para que? Para pedir a minha princesa em namoro! Ela não me atendia, não falava comigo nas redes sociais, e eu maluco, perdido de saudade. No dia 30 de julho é costume ter uma festa no Clube Náutico, que é afastado pra caramba da cidade e é hábito a maioria das pessoas da região irem pra lá. Eu mandei um sms pra ela dizendo que iria e que precisava muito que ela fosse pra gente ter uma conversa. Ela só me respondeu “tudo bem, Felipe”. Bastou essa resposta pra eu me encher de pensamentos, de ilusões, de imaginações, e o pior de tudo, ansiedade. Chegou o tão esperado dia e eu e meus colegas começamos a beber desde cedo. Quando deu no final da tarde pegamos o carro do pai do meu amigo e fomos em direção ao Náutico, tudo certo, tudo tranquilo, eu só precisava chegar vivo até lá pra eu ver aquelas bochechas rosadas de novo. Faltava pouco. O Yago, de tão sedento de álcool, parou no caminho pra comprar mais garrafas de Big Apple, e continuou dirigindo, com as garrafas nas mãos. Eu não tava gostando daquilo e pedi as garrafas, ele me ignorou e virou pra trás pra tirar sarro do Bruno que não bebia e eu só me vi batendo no vidro da frente e caindo de fora do carro. Mais nada. 3 meses em coma. 3 meses sem saber de nada. Não, você não tem ideia do que é isso. É a pior sensação do mundo. Querer e não poder. Tive que ir para um hospital de outra cidade com melhor sofisticação. Quando acordei e olhei a minha volta, eu não sabia o que pensar. Eu não podia me mexer, só olhava aquele quarto com varias rosas, cartões, presentes, várias pessoas torcendo por mim. Eu chorei, sim, eu chorei. Eu não sabia o que sentir. Acordei mais velho, passei o meu aniversário dormindo. Eu tinha 19 anos e tinha acabado de receber a notícia que tive traumatismo craniano. Não é pra qualquer um. Tive alta semanas depois e no mesmo dia que cheguei em casa fui recebido com uma festa só pra mim. Vi pessoas que não via a tempos, mas procurei só uma, e não a vi. Na outra semana, numa quinta feira a noite, ela veio até a minha casa. A minha vontade era abraçá-la, apertá-la, beijá-la, tocá-la, mas o meu corpo me impedia, eu estava deitado, custando a me mexer. Quando ela me viu, ela andou mais depressa pra me abraçar, ficou algum tempo agarrada a mim e quando me soltou, vi os olhos vermelhos e molhados combinando com as bochechas rosadas, aquelas bochechas tão minhas. Fiquei mostrando os machucados pra ela, mostrei que eu conseguia mexer a minha perna direita e quando vi que ela não estava mais prestando atenção, olhei pra onde ela olhava. A minha ex tinha chegado. Eu não tava nem aí. Puxei a mão dela, e dei meu melhor sorriso, falando com os meus olhos. Ela viu a cumplicidade que existia entre a gente, e me beijou a testa. Disse que estava tarde e voltava depois. Mas não, ela nunca mais voltou. Passou meses, e nada dela. Continuei refazendo a minha vida, comecei a fazer fisioterapia, descobri que ainda podia tocar guitarra, descobri que ainda podia andar, comecei a sair mais frequentemente, comecei a perceber o vazio que tava crescendo dentro de mim. No dia 27 de julho de 2011, fui chamado pra uma festa de 15 anos, e eu fui, só para me lembrar dos tempos antigos que prefiro nem comentar. Cheguei tarde na festa, com o Thiago me ajudando a andar, mesmo que eu tivesse o andador. Quando olhei pra pista de dança, quase nem acreditei. Parei atrás dela e cutuquei o seu ombro. Ela se virou e eu não pude deixar de perceber que ela ainda gostava de mim. Os olhos dela brilhavam, o sorriso estampado na boca, e eu só querendo um abraço daquela princesa. Ela leu os meus pensamentos e me abraçou tão forte que eu gemi, e ela me soltou pedindo desculpas, rindo junto comigo. Nos sentamos pra conversar, colocamos o papo em dia e tiramos o atraso da conversa. Como no mesmo dia em que conversamos pela primeira vez, a mãe dela chegou pra levá-la. Eu só pedi pra ela não sumir e recebi um longo beijo na testa. Depois desse dia, eu não parava de pensar nela, queria de todo jeito encontrar com ela e até pensei em ir na sua casa, mas todos falavam que seria inconveniente e os caralho a 4. Mas mesmo assim não parei de pensar, de querer, de desejar. No dia 26 de setembro, iria ter campeonato de skate e toda a galera ia, e eu sem pensar, fui. Me sentei pra ver as categorias, e tava super vidrado com aqueles moleques fazendo coisas que eu fazia anos atrás. Não vou nem falar quem chegou na minha frente, porque você já sabe, rs. Eu deixei cair minhas muletas de tão surpreso que eu fiquei. Ela me deu aquele abraço apertado e dessa vez eu retribuí. Vi que vinha um cara atrás dela, e ela logo se apressou pra me apresentar pra ele, mas era em vão, a gente já se conhecia. Apertei a mão dele e ficamos conversando, contando as últimas notícias. Não o via fazia tempo, desde quando desmontamos nossa bandinha de porão. Perguntei ele da bateria e nem ouvi a resposta, fiquei olhando ela. Eu não podia acreditar. Ela tava de mão dadas com ele, encostada nele, e eu, tolo, não tinha percebido. É claro que ela tinha continuado a vida dela, quem iria esperar por um cara que teve traumatismo craniano não é? Falei que precisava sair e nem voltei, fui direto pra casa. Não conseguia pensar em mais nada, eu tinha perdido ela. O Thiago mais tarde apareceu lá no meu quarto, querendo saber por que minha mãe tava preocupada com a minha falta de fome daquela noite. Falei, contei, desabafei tudo com ele. E ele só olhava pro chão. Eu perguntei o que era e ele tossiu. “Fill, aquela menina ainda te curte, naquela festa que você viu ela, eu conversei com ela também quando ela foi no banheiro. Contei tudo que você tava passando e sabe o que ela fez? Chorou, Fill. Chorou igual uma criança. Ela me falou que iria até o inferno pra ver você, mas que tava cansada de sofrer, cansada de pensar que você e a sua ex nunca se separaram, cansada de ter o coração partido. Ela simplesmente decidiu tentar esquecer. E tem mais: dá pra ver o jeito que vocês se olham. Ela só pensa que você nunca esteve nem aí pra ela”. Eu fiquei calado triturando tudo aquilo dentro de mim, e eu não podia fazer nada, não queria estragar o seu relacionamento, não queria estragar o recomeço dela. E até hoje ela vive lá, e eu aqui. Eu pensando nela e ela pensando em mim. Por isso eu te digo uma coisa pra você que aguentou ler até aqui. Pensa bem antes de deixar a mulher da sua vida ir embora, pensa bem antes de colocar o orgulho em primeiro lugar, pensa bem antes de não tentar. Eu não me arrisquei, não falei enquanto podia, não acreditei e olha só no buraco em que eu me meti. Então faça hoje, busque hoje, corra atrás hoje, desabafe hoje, não fique remoendo ansiedades e agonias antes do próprio tempo. Antes de mais nada, conquiste a sua felicidade.

Desconhecido.      (via inverbos)

Sozinho posso te ver melhor, quando se vai o sol procuro o fio do seu cabelo no lençol. Baixei aquele filme que, cê disse que era bom e vi que nada é tão bom quando cê não ta aqui. Um dia sem você é triste, uma semana é maldade, um mês não existe, dou meus pulos, atravesso a cidade. Junto dinheiro pra financiar a viagem, uma bolacha, um salgadinho, 2 refri e a passagem. Já era, já fui, me espera amor, vou atrasar mais 10 minutos, parar pra te comprar uma flor. E to pronto, na melhor roupa que eu tenho, uma rosa na mão esquerda, na outra mão um cartão com desenho. Correndo pra rodoviária, o buso sai às 9:00, desculpa o cartão molhado, é que Novembro sempre chove à tarde. E hoje a chuva tá bolada, já me sentei, fiz minha oração, se Deus quiser nem pega nada, vai. To indo sentado, vendo as montanha, lembrando que quanto mais você me perde, mais vezes você me ganha. E aquela briga ontem foi foda, eu não queria te dizer, que eu não queria ter você, mas eu queria que você soubesse que eu me importo e que eu sinto que essa chuva é o reflexo do estado do meu corpo. E foi pensando nisso que me joguei pra cá, pra ver se quando eu te encontrar eu faço essa chuva parar. Será que isso é possível? Eu sonhador demais, na entranha dor demais, essa estranha dor é mais do que saudade, é como uma necessidade, de poder ter a certeza que não era verdade o que você disse por telefone, que tava na hora de eu te provar que podia ser o seu homem. Que um menino que nem pode sustentar um lar, nunca seria bom o suficiente pra tu casar. Foi pensando nisso que eu entrei nesse busão, mas talvez eu seja só um menino com uma rosa na mão. E eu te ligo no celular, te avisando que eu tô indo, e te pedindo pra ir lá par me esperar, mas você que nunca disse que me ama, mais uma vez desliga sem dizer, se arruma e vai pra cama. Tudo bem, dorme bem amor, te amo, quando acordar passa perfume que o seu homem tá chegando, vai. A cada segundo a chuva aumenta, nessa poltrona, a cada minuto que eu durmo, eu acordo quarenta. Janela embaçada, tampando minha visão, eu fecho os olhos e praticamente sinto sua respiração. É como o silêncio do meu quarto sem você, culpa dessa distância que me impede de te ver. Me impede de provar que te mereço, e te mostrar que o dinheiro tá pouco, mas que a alegria não tem preço. E eu pensando em você nesse momento, aproveito o tempo, pra treinar o pedido de casamento. Depois da briga, acordei cedo, peguei toda economia e comprei a aliança em segredo. Juntei moeda por moeda, pra poder tá aqui, pra mostrar que um menino pode te fazer sorrir. Te sentir mais uma vez, sentir por uma vez, que achar que eu sou teu sonho não é uma insensatez. Mas pera aí, eu ouço um barulho, o que que tá pegando, a aliança caiu do meu bolso, tudo balançando. Quem tá gritando? Por quê ta girando? Alguém sabe? Tento chamar seu nome, mas minha boca nem abre. Barulho de chuva, pneu, escuridão, lembrar seu rosto se tornou a última opção. Agarro forte a rosa na lama, menino ou homem você me deixou partir sem dizer que me ama. Eu não pensei que fosse pra tão longe essa viagem, toca o celular é você me mandando mensagem, eu preso nas ferragem sem me mexer, sei que você me escreveu mas fecho os olhos sem saber o quê.

Projota.   (via subnega-r)

Já parou para pensar que pensar demais estraga tudo? Quantas oportunidades eu perdi, quantos riscos calculados deixei de correr por medo de lidar, de não funcionar, do “e se…” não me deixar agir, por essas e outras que eu a vi partir.

Fred Medeiros. (via recontador)

@

Não. Ela não vai te chamar em todas as redes sociais, como você está acostumado. Não vai ficar esperando você postar algo pra fazer algum comentário engraçadinho ou falsamente inteligente. Nem é por orgulho ou por ser metidinha, é que ela é muito lerda mesmo. Não finge que gosta do que tu gosta só pra te agradar. Ela é a única pessoa do mundo que faz um xingamento parecer elogio. Ela tem aquele jeito engraçado de desprezar. Faz gracinha, pisa com o pé mais gostoso do mundo em cima de você quando tu se declara, mas sempre que você fecha a cara, vai atrás com uma ou duas palavrinhas de afeto que fazem todos os pisões e chutes e ironias valerem a pena. Te empurra e puxa de volta pelo colarinho dois minutos depois. E não fica se achando o espertão; porque ela sempre sabe. Ela sabe quando você a chama só porque as outras te deixaram de lado, quando você tá se sentindo perdido e sozinho e porque falar com ela te faz sentir quentinho e em casa e sabe quando você só sentiu saudades. Porque ela é ela. Eu sei o quê você vai dizer. Que todo mundo é diferente, que por mais parecido que seja nunca é igual, que cada uma é cada uma… Mas ela é única. Uma vez que você gosta; não tem desgostar. Sempre que ela for embora, vai deixar um vazio em você. Sempre que ela vai embora, ela deixa um vazio em mim.

Vinícius Kretek. (via eternismo)

Se eu te responder “ok”, “ta”, “hm” ou “blz” releia toda a conversa e encontre o seu erro.
Não é depressão, nem bipolaridade, nem preguiça de viver e muito menos cocaína. É só um acúmulo de tristezas, decepções e mágoas, que tem como resultado esse rosto cansado e este coração tão frágil que insiste em ser forte.

A Escritora de Bar.  (via retrizes)

As feridas da alma são curadas com carinho, atenção e paz.

Machado de Assis. (via antipoetico)

Não quero que finja sentimentos por mim, não quero que segure a minha mão se tem intenção de solta-la. Só quero o que for verdadeiro.

Cazuza. (via retrizes)

Eu to é precisando de um puxão na cintura e uma boca pra calar a minha

@ acumulou